31 de jul de 2010

Há uma lua



Advertência


Sou um inventador de modas. Modas que não viram tendência e que ninguém segue, além de mim, mas modas. Minhas. Esta é mais uma. Ficar gravando músicas diletantemente. Como não bastasse a diletância de versificar, passo a melodiá-las e a captá-las. Isto tudo é apenas pra dizer que o conteúdo do áudio aqui posto é de minha total irresponsabilidade. Tenho dito.


 Há uma lua by nandescritor



Há uma lua

Há uma lua que só se vê
Do fim da rua
Ao anoitecer
Se eu fosse o dono, eu te daria
Seria pouco, nada tenho a oferecer

Se tu quiseres, eu vou pedí-la
Diz-me se queres
Adquiri-la
Eu subo ao dono e a imploro
E não demoro se conseguir possuí-la

Se me olhar já
Valeu a pena
Musa pequena
Te agraciar
Se me sorrires, melhor ainda
Você é linda
E não há que negar (E não há quem vá negar)

Vem, minha bela, vem passear
Nesta aquarela
Luz do luar
Só tenho medo, isto se assume
Se, por ciúme, essa lua se ocultar

Pois sua beleza é abrangente
Minha princesa
Encanta a gente
Tenho certeza que esta lua
Desvia a luz pelo ciúme que ela sente

Madrinha lua, não seja crua
Não se amua
Com este ser
Esta menina, visão divina
Beleza fina que sequer assume ter

Minha menina, criação divina
Veja se atina
Quão bela és
Até a lua, vaidade crua
Já se amua, quando vê, cai ao seus pés

Fernando Lago - Julho de 2010

20 de jul de 2010

Habileté d'aimer



Se eu amasse como amam
Os que amam de verdade
Seríamos tão felizes
Mas o amor não é um jogo
Não há profiles definidos
Nem macetes para passar à próxima fase

Nem é verso de poesia
Pois aqui e ali se tenta aplicar
A velha regra das sílabas métrico-poéticas
E eu particularmente não vejo unidade nestas coisas...

Se eu amasse como amam
Os que se aturam a cada dia
Talvez pudéssemos ser um
Como nos pedem os padres
Mas não sei que seja isso, na verdade

Se eu amasse como amam
Os que sabem que se amam
Talvez o amor seria
Algo real para nós
Mas só amo como amo...

Fernando Lago - Outubro de 2009

7 de jul de 2010

Breves Palavras (V)

















Um dia,
Diante de tantos dias
É apenas um.
E eu,
Diante de tantos outros
Sou apenas um.
E fraco.
Mas ainda sigo
Nesta ideia de jerico

(Teixeira de Freitas, Primeiro de Julho de Dois Mil e Dez)

Crédito da imagem: http://shabestan.blogs.sapo.pt/4135.html#comentarios