16 de jun de 2009

De repente... Gina!


Ela apareceu em minha vida da maneira mais casual que se possa imaginar. Uma loira de olhos débeis, mas belos. Aquele olhar de tristeza, de quem busca algo, mas não sabe onde encontrar. Também devo ter esse olhar, porque quando penso conquistar algo, em um curto espaço de tempo me convenço de que estava errado. Meu olhar deve ser igual ao dela...

Mas não estamos aqui para falar de mim. Estamos aqui para falar de Gina, ou de Angelina Franke. E de como ela surgiu em minha vida assim de repente e provavelmente há de ficar pra sempre em minha lembrança.

Aconteceu no último sábado. Foi tudo muito de repente. Eu estava sentado no sofá, assistindo TV. Na verdade não necessariamente assistindo, mas pulando canais, como é típico de sábados em horários que não se tem nada pra fazer e nenhum programa bom pra assistir. Seriam dez e meia da noite. Fui pulando os canais... 1, 2, 3, 4... Parava em alguns para observar por três segundos e seguia... 5, 6, 7, 8, 9, 10... Nada que prestasse na Televisão... 11, 12, 13, 14... De repente... Gina!

Foi uma bela imagem a que vi... Uma loira, sentada num café de algum lugar do planeta, sendo importunada por um desengonçado sujeito engravatado (os há no mundo inteiro) que não tendo outro lugar para sentar, teve de dividir a mesa com ela. Era um tipo tímido, assim como eu... Desengonçou-se com o interesse da moça em saber o que era aquele monte de apostilas que ele carregava.

O legal de pegar o bonde andando, é que você faz um esforço mental danado pra tentar entender em que lugar e contexto se passa a cena. Era uma moça loira que se encontrava com um homem de meia idade num café e começavam a conversar civilizadamente, como se é de esperar de pessoas civilizadas. Não reconheci a língua que falavam. Pensei ser francês, mas acabei concluindo que não era. Talvez fosse alemão, porque identifiquei algumas palavras levemente parecidas com expressões do Inglês. Enfim, fui me envolvendo, para descobrir em que língua falavam.

Depois acabei ficando curioso também pra saber no que ia dar aquilo tudo. Um homem e uma mulher num café. Ele tímido, ela bela e loira... A conversa dos dois acabou. Agora tudo podia ser... Se a loira fosse apenas uma personagem qualquer, desses que só aparecem para suplementar a história, tudo acabava ali e eu poderia ir pro meu documentário da Reforma Agrária, que estava passando na TV Brasil – antiga TVE (ultimamente tenho dedicado algumas partes do meu dia à leitura deste assunto). Mas as coisas não são assim. O homem tímido e sisudo, ao invés de levar suas apostilas levou o jornal da moça loira e teve de voltar ao café para desfazer o engano. Por sua parte, a loira percebeu também o equívoco e saiu com tanta pressa pra ver se encontrava o dono dos documentos que acabou derrubando o café de uma senhora. Neste instante o homem chegou e indenizou a acidentada, pagando-lhe um outro café.

Foi assim que Laurens Wagner e Angelina Franke se conheceram. E foi assim que conheci os dois, e o seu filme romanesco, mas envolvente e extremamente reflexivo.

Só no meio do filme é que fui assimilando as coisas, cada detalhe, cada questão específica. Laurens era um dos assessores do Ministro de Finanças da Alemanha (a língua tão enrolada era o alemão mesmo; eu dou palpites fortes!). Vivia para o trabalho; um daqueles solteirões que não saem do computador ou dos papéis de trabalho. Gina era parteira, trabalhava trazendo à luz os infantes. Por acaso, assim como que para responder a um desafio da própria Gina, Laurens a convida para sair. Mas se arrepende na última hora, assim como ela, e ambos vão ao encontro apenas para notificar ao outro que não irão. Mas acabam almoçando juntos realmente e, por sugestão do seu chefe, que estava admirado por vê-lo pela primeira vez na vida namorando, Laurens convida Gina para ser sua companhia na reunião do G8, na qual estaria trabalhando. Gina aceita. Laurens, sempre tímido, não ousa fazer nada que sugira à moça que ele tem interesse nela. Ela também não se aproxima muito. Mas com o desenrolar dos fatos acabam se envolvendo e tornando realidade aquilo que publicamente já se aceitava há muito tempo entre seus colegas.

A reunião do G8 é minuciosamente planejada para que os líderes mundiais estejam “protegidos” dos manifestantes populares ou movimentos sociais. Para ser aceita como acompanhante do Laurens, por exemplo, Gina teve seu passado investigado pelo setor de segurança, para que tivessem certeza que sua visão política não “atrapalharia” as negociações entre os membros do G8. Ela, moça simples e nunca envolvida em militâncias, até então não sabendo nada da política internacional, obviamente foi aceita.

No entanto Gina passa a ler os relatórios de Laurens e a perguntar-lhe coisas sobre a reunião. E de repente começa a perceber que algo estava errado nessa política de países ricos em “benefício” dos pobres. Ora, por trás de todos aqueles números havia crianças de verdade, que morriam de fome aos milhares por dia na África. Gina passa a ser incontrolável durante os jantares com o ministro e os outros assessores internacionais. Começa a questionar a política do G8 para os países pobres e acaba sendo expulsa do encontro ao questionar o discurso da Chanceler alemã e a fazer declarações fortes relacionadas ao descompromisso daquela reunião. É acusada de fingir estar apaixonada por Laurens para se infiltrar no encontro e expor aos lideres mundiais a sua visão política radical. Laurens não pode defendê-la e acaba pedindo demissão.

A estória, além de nos encantar por ser uma estória de amor entre um homem e uma mulher diferentes, faz-nos refletir sobre esses blocos de países que aí estão. É-nos cabido questionar se realmente essas pessoas, que enchem a boca para dizer que lideram os países mais ricos do mundo, se reúnem para negociar melhoras para o resto do mundo ou para fazer cada vez mais política de sustentação da economia a curto prazo. Será que estão realmente preocupados com a fome e a miséria dos países pobres? Será que se preocupam tanto com “um milheiro” de crianças que morrem hoje, e amanhã e depois quanto com uma multinacional que está prestes a falir?

Deixo-lhes a refletir, que já escrevi demais...

Fernando Lago - Junho de 2009

17 comentários:

  1. Concerteza precisamos exteriorizar nossa preocupações acerca ao mundo que vivemos. É facil notar como os politicos estão conduzindo o seu povo, uns acreditam que o que o povo quer é o melhor para o povo.
    Precisamos sim, agir para que tenha realmente uma luta contra as injustiças e os problemas sociais.

    ResponderExcluir
  2. Realmente é o melhor filme que já vi. Fiquei tão encantada que acabei vendo o filme de deu origem a tal refilmagem, A garota do café, mas a atriz que interpreta Gina do De repente Gina é mais doce e sutil.
    Pelo que vi você pegou o filme antes de mim, também mudava os canais da TV com encontrei Gina, rs. Assisti na sexta dia 12/06, o filme é tão bom que assisti ainda no sábado 13/06 e domingo 14/06.
    Só queria ter este filme pra mim, se alguém souber onde pegar..

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. É realmente um grande filme, Vanessa! É incrível como a gente se surpreende! Tão acostumados com os produtos industriais de Hollywood, a gente até esquece que há produções ótimas pelo mundo afora. A prpósito, estava vendo agora há pouco uma reportagem acerca da ótima bilheteria alcançada pelos filmes de comédia nacionais esse ano.

    ResponderExcluir
  4. ola Fernando..
    Tambem vi esse filme na mesma situação que vc...pulando de canais...e me surpreendi com ele que vi nos outros dias que se seguiram e se pudesse como a Vanessa, comprava so pra ver quando quizesse!
    Tudo nele é supreendente...a historia, os personagens e sobretudo a mensagem que ele passa, de que nao devemos desistir mesmo que somos os unicos a pensar e querer algo de melhor pro mundo.
    Beijos...

    ResponderExcluir
  5. É isso aí, Josiane... Acho tão bom nos surpreender assim! A gente liga lá, vê aquele filme e pensa: "Vixi, isso tá com cara de que não vai dar é em nada!" E aí acaba se surpreendendo com uma produção muito bem feita.

    Obrigado por comentar! Volte sempre que quiser!

    ResponderExcluir
  6. Tocante, reflexivo... Apaixonante!

    ResponderExcluir
  7. Muito bacana isso. Peguei o filme ainda mais pela metade que você e só agora estou entendendo realmente o que se deu antes do encontro do G8, obrigada.
    Bem escrito, claro, direto... filme e blogueiro interessantes.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde. Parece que o filme vai passar de novo neste final de semana, entre os dias 19 e 21 de fevereiro. Gilberto Avilar

    ResponderExcluir
  9. Obrigado aos queridos Dênis, LM (Juro que fiquei especulando o significado dessas letras) e Gilberto. O filme é ótimo e eu, com certeza, vou tentar assistir de novo.

    Voltem sempre.

    ResponderExcluir
  10. Também assisti a esse filme hoje, em um sábado no qual eu apenas pulava de canais. Cada dia que passa amo mais o "Cine Conhecimento" do Canal Futura. O filme é encantador! Pena que passa tão tarde. São 3:44 da manhã e apenas agora o filme acabou. Mas não me arrependo de nenhum minuto em frente à TV.

    ResponderExcluir
  11. É verdade, Lully. Infelizmente há grande manipulação das Tvs nesta questão dos horários. O Cine Conhecimento tem trazido discussões boas apesar de o Futura também ser um dos canais pertencentes à Redezona... Outro dia assisti a Tempos Modernos, aquele clássico com Charles Chaplim. E agora a pouco passava "O Triunfo", que apesar de trazer uma discussão meio idealizada acerca da educação, pode abrir provocação pra discussões mais profundas em torno da temática...

    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Incrível isso, hahaha. Também me deparei com o filme nessa madrugada enquanto procurava alguma coisa legal pra assistir. Infelizmente, dormi antes de terminar de ver o filme. Legal ver que existem pessoas que também se sentiram tocadas pela história da mesma forma!

    Quem achar o filme pra vender, avisa!rsrs

    ResponderExcluir
  13. Esse filme é incrível. Nessa louca madrugada de sábado também me peguei vendo o canal Futura logo no ínicio da sessão. Adorei saber que apesar de um mundo cheio de capitalistas e consumistas, ainda exista pessoas que se enteressem por assuntos para salvar o mundo(e as crianças). larissaassiral_@hotmail.com

    ResponderExcluir
  14. Anônimo (ou anônima, né... quem é que vai saber?), somos poucos loucos... Ficar assistindo filme cult ao invés de um filme com tiros! rsrs Obrigado por comentar!

    Lara,
    acho que todos nós começamos a assistir o filme por isso, né... Incrível o encantamento que nos proporciona! E acho que todos vocês vieram parar aqui pelo mesmo motivo que eu fui parar num outro blog, no dia em que assisti o filme: digitando na busca. N meu caso foi brabo, porque eu nem sabia sequer o título rsrs

    Obrigado por comentar!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Tem para vender no site Desenhos e seriados antigos. Foi gravado do futura mesmo.
    Irá ser exibido na tv de novo em 17/05.

    ResponderExcluir
  16. Adoro esse filme!!!! É realmente marcante a postura crítica adotada por Gina ao longo da reunião do G8. Precisamos de mais "Ginas" no mundo para enfim, podermos deixar pra trás a condição de seres subservientes que engolem tudo o que lhes é passado e por fim, adquirirmos o dom da constetação, tao presenta no filme.

    ResponderExcluir
  17. Nah,é verdade! Gina, com toda a sua aparente inocência, consegue desequilibrar a tão estável posição dos poderosos do nosso mundo, que pensam que podem designar políticas ao seu bel prazer e direcioná-las aos países pobres. Políticas estas que não tem contemplados os interesses dos pobres, e serão mudadas, se forem de encontro aos interesses do grande comércio.

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?