23 de set de 2010

Folia

Imagem: Quadro de Di Cavalcanti - In: Blog Pensamentos & Entrevistas



Ali me apresentaram um tal de amor
Nos olhos castanhos da moça bonita
E eu,
Conhecedor dos platonismos da vida
Quis fugir a mais essa maçada.

Mas este homem tem mente fraca
Governam-lhe os sentimentos ambíguos
E as belezas diante dos seus olhos
Instam por serem admiradas

A loiridão dos cabelos dela,
Amorenados pelo calor,
Convidativos como uma rave,
Misturava-se à luz do sol numa sinfonia de imagens

Mas os olhos enlouqueciam
E ante a loucura predita dobravam-se
Tornavam-se escravo do escravo
Apenas para serem contemplados no ato de contemplar

Músicas suaves
Sambas e rocks
Remelexos baianos e maranhenses
E os olhos nos olhos dela

A vida passa rápido
Um instante é muito pra ela
A vida passa rápido
Justamente como a vida deve passar

E na cabeça
Restam apenas as promessas não oficializadas de reencontro
Mas carimbadas por um olhar

Fernando Lago Santos – 09 de Fevereiro de 2010

10 de set de 2010

Oceano de Emoções



Mergulharei nos teus olhos, meu bem
E nadarei na conjuntiva, no teu globo ocular
Me apaixonarei por tua íris
Enviarei ao teu cérebro poesias e galanteios
Através do teu nervo óptico.

Todos os elementos que compõem este teu olhar desconfiado são belos
Inclusive a própria desconfiança
Seus olhos são duas castanhas, sem caju
Abandonadas pelo mundo e embebidas por lágrimas desorientadas

Meu anjo
Aqui e ali nos veremos
E poderemos trocar experiências e beijos
Mas por tudo que há de sagrado
Pelo cafezinho depois do almoço
Pelo cigarrinho depois do café
Pela cervejinha depois do cigarro
Por favor, não chore
Que não se desperdicem as águas dos teus olhos
Que ainda tenho muito que desbravar por elas
Submerso neste teu oceano de emoções

Fernando Lago – Fevereiro de 2010