23 de set de 2010

Folia

Imagem: Quadro de Di Cavalcanti - In: Blog Pensamentos & Entrevistas



Ali me apresentaram um tal de amor
Nos olhos castanhos da moça bonita
E eu,
Conhecedor dos platonismos da vida
Quis fugir a mais essa maçada.

Mas este homem tem mente fraca
Governam-lhe os sentimentos ambíguos
E as belezas diante dos seus olhos
Instam por serem admiradas

A loiridão dos cabelos dela,
Amorenados pelo calor,
Convidativos como uma rave,
Misturava-se à luz do sol numa sinfonia de imagens

Mas os olhos enlouqueciam
E ante a loucura predita dobravam-se
Tornavam-se escravo do escravo
Apenas para serem contemplados no ato de contemplar

Músicas suaves
Sambas e rocks
Remelexos baianos e maranhenses
E os olhos nos olhos dela

A vida passa rápido
Um instante é muito pra ela
A vida passa rápido
Justamente como a vida deve passar

E na cabeça
Restam apenas as promessas não oficializadas de reencontro
Mas carimbadas por um olhar

Fernando Lago Santos – 09 de Fevereiro de 2010

3 comentários:

  1. As vezes a gente faz promessas de amor ao vento... e ele se perde da gente. Depois volta, pra gente renovar a promessa...E no fundo, o que sempre fica é a marca de um olhar.

    Beijos Romeu!

    ResponderExcluir
  2. Nossa Feer, a cada texto teu que leio, fico mais maravilhada. Lindo Fer *--*, muito lindo! :D

    ResponderExcluir
  3. Nanda, como sempre muito profunda nos seus comentários. =D beijim, Julieta!

    Sam, como sempre muito gentil! Obrigado e beijos, poetisa linda! =)

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?