12 de out de 2010

Quando teus olhos fecham



Quando teus olhos fecham
Imagino que imaginas
Algo inimaginável

Quando teus lábios se abrem
Eu sorrio e tu ris
De um sorrir inigualável

És toda extrema
Em tua beleza
E magnífica
Graça salvívica
Flor de açucena
És realeza

És doce e eterna
Em teus carinhos
E infinita
És tão bonita
Guia-me, terna
Por meus caminhos

Fernando Lago – 08 de Junho de 2007

3 comentários:

  1. SUAS POESIAS ME ENCANTAM.
    e tantas vezes, eu venho aqui no blog, as leio e releio, me dão tanta inspiração Nando.
    Quando se ama, realmente se imagina tudo na outra pessoa, as mais imprevistas.

    amei.

    beijo meu escritor.

    ResponderExcluir
  2. Aaaaah, Tay! Sempre tão linda! *__*

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Own q fofo *-*
    Achei ótimo, Graça salvívica "for de açucena" Tão meigo Feer!

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?