26 de jan de 2011

Ouse!




Picha o seu nome no meu coração e diga que é seu
Amarre os meus pés como a um galináceo
E não me deixe caminhar pelos caminhos de outrora

Inventa um boato
Diz aos telejornais que não resisto ao seu charme
Me amordace num barquinho e atravesse o Oceano Atlântico a remo

Sequestre minhas poesias
Esconda minhas músicas
Roube minhas canetas
E peça o meu amor como resgate

Injeta um vírus que destrua do meu computador
Todas as imagens em que não há você
Mostra todo o seu poder a todo mundo
Que você tem escondido por detrás da sua íris

Descubra meus segredos
Anote meus pecados numa caderneta
Conquiste minha família
Hipnotize todo mundo e me deixe boquiaberto
Me deixe sem saída outra que não te amar também

Seja cruel
Leia O Príncipe, de Maquiavel
Estude as táticas de guerrilha de Mao Tsé-Tung
Desplatonize a metafísica
Aristotelize minha vidinha insossa
Socratize dialeticamente o meu estado estático

Dê um golpe de estado
Tome o meu coração
Expulsa os partidos opostos que ainda militam ali
Hasteie bandeiras com sua foto
Monte guarda no portão de entrada
Fiscaliza o movimento e diga com autoridade: é meu!

Seja cruel
Seja uma Hitler de saia e sem bigode
Uma Pinochet sem quepe e sem coturno
Proclame um AI5 cardiológico
Não me deixe escapar
Não me deixe solto por aí
Buscando o que não devo mais buscar

Ouse!
Deixe-me totalmente sem saída
Ouse, minha princesa
Minha Venus brasileira, ouse
Ouse, minha querida!
Ouse, criatura!
Só você poderia me salvar...

Fernando Lago - Janeiro de 2011

4 comentários:

  1. Uau! muito bom, Fernando. Seu poema.
    Amei!
    PARABÉNS!!!!!!!!!

    Abraços,
    Lu

    ResponderExcluir
  2. Talento? Sei lá. Inspiração indiferente de outro mundo. Há muitos mistérios na sua forma de expressar... Invista mais nisso.

    ResponderExcluir
  3. Tive o privilégio de ler antes de ser postado e gostei muito.
    Nando, tu é o cara!
    Vai por mim! Você ainda não dominou o mundo, mas é questão de tempo!

    ResponderExcluir
  4. Adorei, Fernando! A poesia, a criatividade e a autenticidade domaram e tomaram esse coração escritor!
    Parabéns!

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?