12 de out de 2012

Filó


Foi tão séria a brincadeira que me fiz
Que eu cri que acreditava na descrença
Que a ciência que eu tinha no meu corpo
Na realidade impura de minha vida
Me fazia mais eu mesmo sem me ser

Não compreendo o que eu digo em sobriedade
O delírio do etílico não me domina
A loucura de minha mente não é química
E a sua natureza é desconhecida

Venha, Filó
Venha tomar comigo gotas de chuva ácida
Venha fazer de mim um homem sem medo de si
Venha me purificar da antagonice de ser eu
Não sendo nada, nem ninguém

Eu olho os olhos de Filó e me vejo neles
Eu que achava os olhos de Filó tão bonitos...

Fernando Lago – agosto de 2012  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?