31 de out de 2008

Retalhos: A lucidez - de mim para mim mesmo

"Tenho que ser o que tenho que ser." (Fernando Lago)


Você se acha normal?
Pensa que é lúcido?
Pensa que está totalmente distante da insanidade reinante que assola este local de trabalho?

Meu caro, tenho más notícias para você. Você não é lúcido. Não é um cara bacana, sábio, que mantém seu equilíbrio mesmo diante de todas as pressões psicológicas. Você, meu nobre, é louco de pedra! Está totalmente aquém da realidade; és, meu amigo, dos maiores loucos que já caminharam por esta terra condenada; amigo, és um crazy man incurável. Um madaman de incombatível loucura. Sua insanidade é pacífica, dócil, talvez até ingênua, mas não menos perigosa que uma explosão violenta de loucura. Aquém à realidade. Vives em outro mundo; vives num mundo imaginário que tu mesmo inventas; mas, no real, não vives. Sois um parasita! Não, sois um vejetal! Não! Não sois nada disso! Sois um... um inominável! Sois um Fernando Lago! è isso! Sois um Fernando Lago, dos piores que existem!

Escrito em Local de Trabalho - Setembro de 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?