31 de out de 2008

RETALHOS: Festival de Poesia Modernista


**************************************************************
Senhor Raimundinho
Cabeça de Vento
Aguenta tormento
De porta de bar

Senhor Fernandinho
Um tanto inocente
Um tanto descrente
De tudo o que há

Há vida e há morte
E há Fernandinhos
E há Raimundinhos
Há tudo e há nada
E há namoradas

Quem toma topada
Não pode Olvidar
*****************************************************************

Descia a cabocla a ladeira
Menino encravado à costela
Bacia encravada à cabeça
Espinho encravado aos pés

Maria cabocla matreira
De água molhado o saião
De lágrimas molhado o rosto
De tão triste o coração

Cabocla Maria
Mulher corajosa
Mulher sem igual
Em seus amores
Em seus temores
Seu bem e seu mal

Cabocla Maria
Criatura igênua
Sem mal e sem bem
Sem beleza ou feiura
Sem especificidade
Só é Maria
E é cabloca
E nada mais
****************************************************************
Local de Trabalho - 23 de Junho de 2008

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?