25 de jun de 2009

Internet e afins (Curtas)

  • Não há mais de cinco anos que eu fui apresentado à dona Net. Sou um roçaliano! A tecnologia foi entrando em minha vida aos poucos. Aprendi a mexer em computador em Lan houses; muito mais do que aprendi nos cursos (aprendi é modo de falar, pois não aprendi nada na verdade. Apenas descobri como abrir uma página e como passar de uma pra outra). É incrível verificar como em menos de cinco anos as coisas mudam tanto.

  • Um dos meus últimos trabalhos escritos (a mão, pra você ver como computador é uma coisa nova na minha vida), cuja redação ainda não terminei, mas a estória está todinha na minha cabeça, passa-se no ano de 2020. Sim, uma estória futurista, mas num futuro muito próximo. Contudo, estória passada no futuro só tem graça se tiver coisas novas, tipo carros que voam, casas inteligentes, etc. Minha preocupação, no entanto, era que entre 2006 (quando iniciei o escrito) e 2020 não havia mais que catorze anos. Poderia o mundo mudar tanto em tão pouco tempo? Com essa reflexão acerca da Internet, dos celulares (celulares, meu Deus! Quem era eu pra ter um celular?) e dessas coisas moderninhas a gente percebe o quanto o mundo mudou em menos de dez anos... Imagine em 15!
  • Cinco anos! Cinco anos que me foi apresentado esse bicho a que chamam de internet. E hoje, ao invés de rabiscar folhas de caderno velho, já vão as letrinhas direto pra tal da net. Que evolução! Mas a verdade é que só fui ficar amigo mesmo da internet há menos de dois anos atrás. E tornei-me íntimo dela de verdade há um, quando comprei um PC. Ou seja, há um ano a internet ainda era algo extra-ordinário na minha vida. Orkut era algo que eu acessava de tempos em tempos (mas já tinha hehehe). Blog (o seu diário na internet, como propagandeava os sites) eu costumava dizer que era o meu “de-vez-em-quandário” na internet... Só escrevia lá de vez em quando, quando podia ir a uma Lan house. Hoje, quanta diferença! Coisa de louco!
  • Outro dia estava acessando o EuAutor – site de compartilhamento de textos autorais onde se pode encontrar diversos poetas, contistas, cronistas e etc – onde inclusive eu tenho um perfil, e acabei encontrando uma moça que escrevia expressões bem moderninhas, tipo eh, ao invés de é; feh, ao invés de fé; jah, ao invés de já. Não obstante a esta particularidade, Mallu Fer não perde a sua expressão poética; continua sendo uma excelente poetisa e essa marca peculiar talvez seja mais um indício de sua genialidade. Isso prova o quanto a evolução da língua trazida pela internet já é presente. É um modernismo novo (redundância?), renovação dinâmica da língua, como os poemas da geração de 22.
  • Hoje em dia quem não tem Orkut? Reparei que até o Word já reconhece Orkut como palavra do seu dicionário! Agora mesmo escrevi com “o” minúsculo e o próprio editor corrigiu, botando o “O” maiúsculo. Fica até engraçado. Parece que Orkut hoje em dia é algo obrigatório que todo mundo tem que ter. Tipo identidade, CPF, título de eleitor... Já estou até achando que vai chegar um dia em que o cara chega pra se inscrever num concurso público e lê lá no edital um “Parágrafo único - serão exigidos os seguintes documentos: RG, CPF, CTPS, URL do Orkut...
  • A propósito de Orkut, outro dia a gente estava aqui na sala e uma moça parou à janela pedindo ajuda. Um quilo de alimento, alguma coisa qualquer. A gente sempre ajuda, mas dessa vez não tinha nada mesmo. Nossa despensa estava vazia (fim do mês, feira acabando). Aí ela viu minha irmã sentada à mesa do computador e pediu um pedaço de papel. Anotou um endereço de e-mail no papel e disse: Fia, depois você me adiciona no Orkut. Quase não me segurei... Foi só ela se afastar da janela que eu caí na risada...
  • A propósito de a propósito (fugindo um pouco do assunto de internet) vocês perceberam o quanto eu gosto dessa expressão, né? A PROPÓSITO... Acho tão elegante! Prefiro dizer a propósito do que “e por falar em...” Não que eu ache deselegante, é mania mesmo! Mania de leitor de Machado.
  • A propósito de Machado :) , foi um dos primeiros que procurei quando comecei a freqüentar a dona Net. Li muitos contos de machado de Assis na internet. Não lembro mais de p... nenhuma, mas o importante é que eu usei a internet para o bem. hehehehehe.
  • Por falar nisso (enjoaram já do a propósito, aposto) internet é um mundo. O mundo tem coisas boas e ruins e... Putz, não dá pra querer dar liçãozinha de moral aqui! O que é que eu vou dizer? Que se deve observar os filhos enquanto estão na rede? Se eu sou um desses filhos! Se odeio ser observado! Só posso dizer, galerinha que anda por aí pelas páginas da vida (que falta de criatividade! Copiar o Manoel Carlos!), que na internet há muitas coisas boas para se navegar. Muita cultura, muita sabedoria compartilhada. Claro que até nisso a gente tem que tomar cuidado, porque nem toda sabedoria existente na internet é legítima. Se até eu, caipirão vigenário, ando a publicar coisas por aqui, muitos falsos sabichões também podem fazê-lo. Portanto, não troque um bom livro por um site suspeito. As bibliotecas ainda existem, os professores ainda existem, as escolas ainda existem... E espero sejam perpétuos!
  • Amém!
Fernando Lago Santos - 25 de Junho
....

2 comentários:

  1. Fernando,

    tenho a alegria de encontrar seu cantinho...Estarei sempre por aqui!
    Grande abraço,

    Moisés Augusto (Catatau)

    ResponderExcluir
  2. mas que comentário feliz.
    Obrigada pelo reconhecimento e admiração.

    xD

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?