1 de ago de 2009

How long!

Æ- Há já algum tempinho que não posto... Tem um bocado de coisas aqui dentro da cachola, mas transformá-las em letras concatenadas, organizadas em forma de texto, aí já é outra coisa! Ara quá! Diga-se a verdade: tenho tido preguiça...

Æ- Estive em Belo Horizonte na semana passada. Minha estada na capital mineira foi a propósito de um Encontro Mineiro de Educação do Campo, realizado na Faculdade de Educação da UFMG. De muito valia para o meu crescimento, posto que venha realizando estudos, participado de debates e discussões, produzido artigos nesta área, que tem sido sufocada pela concepção urbano-industrial de produção. Inclusive pretendo desenvolver o meu trabalho de TCC nesta área. Nosso projeto se encontra em fase de elaboração.

Æ- Tomam posse hoje na UNEB os representantes eleitos pelos estudantes para os Diretórios Acadêmicos (DA) dos cursos aqui do campus X. Na coordenação da chapa eleita para o DA de Pedagogia temos um companheiro da minha turma. Também eu estarei participando destas atividades, posto esteja como representante suplente do curso de Pedagogia no Conselho do Departamento de Educação/Campus X. Além do ato de posse pretende-se ministrar um curso de capacitação e compreensão da história, metodologias e organização do movimento estudantil.

Æ- Uma das minhas felicidades ao estar fazendo nada é de sempre encontrar no nada algo de muito interessante. Difícil entender, eu sei. Exemplifico. Fui outro dia ao encontro da minha coordenadora de colegiado na UNEB e recebi a notícia de que ela iria demorar-se um pouco a chegar. Não querendo encarar outra vez a distância ciclística que separa a minha casa da universidade, enfurnei-me na biblioteca do campus a buscar algo que me pudesse encher os olhos por uns momentos. Fui direto ao Terra, de Sebastião Salgado, de quem tinha ouvido falar muito bem. Junto com ele arrastei comigo alguns livros de cartuns e outros sobre música, sem fazer distinção do título. Foi assim, por acaso e fazendo nada, que conheci o trabalho de Aristides Esteban Hernandez Guerrero - ARES - cartunista cubano reconhecido internacionalmente.

Æ- Fiz uma propaganda danada aqui e em minhas falas sociais (seja lá o que queira dizer isso) acerca do livro de José Saramago que se encontrava em meu acervo temporário e que eu estava lendo. Traduzindo: enquanto lia o livro que eu peguei emprestado na biblioteca da UNEB, ia divulgando o autor e sua obra. Fui obrigado pelas circunstâncias a pausar a leitura do livro, uma vez que o acúmulo de trabalhos da universidade não podia ser contido. Além disso fiz a tal viagem pra BH, o que contribuiu mais ainda para a minha decisão de pausar a leitura, por menos que eu goste de fazer isso. Devolvi o livro à biblioteca. Ironicamente, ao retornar de viagem fui procurar o livro na biblioteca e todos os exemplares encontravam-se emprestados. Uma amiga minha tratou de noticiar-me sem nem saber que eu tinha pausado a leitura: “você falou tão bem do livro de Saramago que eu resolvi lê-lo.” Quem manda ser boca grande!

Fernando Lago – 31 de Julho de 2009

2 comentários:

  1. Ei Nando quanto a confusao dos Fernando... desculpa... pensei q era um outro blog seu... rs

    Bj

    ResponderExcluir
  2. "Uma das minhas felicidades ao estar fazendo nada é de sempre encontrar no nada algo de muito interessante."
    Pensei nisso ontem, gastei 1 hora fazendo nada na internet ontem a noite, mas foram horas proveitosas...Irónico essa parte do livro ein, mas acontece.
    Há eu citei aquele texto que vc escreveu no meu blog um tempo atraz, se der confere lá.

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?