9 de out de 2009

Canonal

Ofereceram-me poesia

Dizendo que eu ia ganhar

Muito dinheiro com ela

“Porque as suas, caro Fernando

Não se encaixam nos cânones”

Ora, meu senhor!

Que quero eu lá com cânones?

Que quero eu lá com versos

Fabricados pra burguês?

Minha poesia é minha poesia!

Produção familiar

E não agronegócio

- se pretende cultural

E não algo natural

Meramente biológico

Não há linha de montagem

Nem meta mensal produtiva

É simplesmente papel

É simplesmente caneta

É simplesmente caneta e papel

E idéia

Fernando Lago Santos

8 de Outubro de 2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?