24 de mai de 2010

Trago-te no coração

"Trago-te no coração"

Acabei de lembrar dessa frase, guardada nos ficheiros de frases da minha empoeirada memória. O sentido ficou guardado, a palavra exata não. É um verso só. Desconectado de todos os outros versos da poesia esquartejada para a apresentação do dia das mães. Eu, moleque magro, pré-zinho, ruim de memória pra caramba! Estraguei a surpresa porque tive ajuda da minha mãe pra decorar o verso. Em compensação, nunca me esqueci do momento. Coisa inalienável de nós são os momentos... O tempo pode levar a lembrança das palavras, de um ou de outro fato, de uma ou de outra ação. Mas nunca do momento. E aquele momento, no almanaque de lembranças do meu cérebro, se resumia ao sentido daquela frase, parte alienada de uma poesia que nunca gravei: "Trago-te no meu coração". Aquele foi o primeiro verso da minha vida. Nunca pensei que viriam tantos outros, tempos depois...

Maio de 2010


Nota: Esse textinho foi uma resposta a um dos muitos lindos recados que recebo da minha amiga Sheila Jardim, cantora católica de São Paulo.


7 comentários:

  1. "Trago-te no coração", pequena frase, com um sentido muito profundo Nando. Pude ver que realmente foi profundo pra ti, não esqueceu. Achei uma gracinha essa parte: "Eu, moleque magro, pré-zinho, ruim de memória pra caramba! Estraguei a surpresa porque tive ajuda da minha mãe pra decorar o verso"

    Você não apenas decorou, mas pode aprender o verdadeiro significado. LINDO post *-*

    www.trueslove.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adorei o texto.
    www.menina-normal.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. "Um verso só. Desconectado de todos os outros versos da poesia esquartejada".. Nunca parei para pensar na poesia enquanto esquartajá-la... palavra forte!
    Gostei da forma poética que você tece a respeito das lembranças... um almanaque de lembranças.

    Trago-te no coração... verso simples e diz tudo.

    Inté...

    ResponderExcluir
  4. Haa os momentos, só tem mesmo a dignidade de ser chamado de momento aquele pedaço de tempo que a gente lembra, se não comodefosseontem, pelo menos uma frase esquartejada do todo ou um simples arranhão, enfim, qualquer coisa que seja pra vida toda.
    Belo texto. Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Nando, como eu te disse me emocionei com esse texto, essas coisas de família sempre mexem muito comigo, pq a minha foi muito bagunçada. Adorei a parte "guardada nos ficheiros de frases da minha empoeirada memória"

    Guarde pra sempre essa frase! e pratique!
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Caracas, Fernando!

    Quer gracinha você!

    Fico imaginando o menino...

    Me encantou!

    ResponderExcluir
  7. Taynara,
    muito obrigado, minha linda! Em verdade a gente que dá o significado às nossas lembranças... Ou não dá nenhum. Beijos, meu bem!

    Camila,
    obrigado. Já visitei seu blog também e gostei muito.

    Rosy,
    obrigado por comentar. Muita gente faz isso com poesias, com romances e com textos teóricos. Retirando uma pequena frase que não condiz ao contexto da obra para prapagar aquilo que melhor lhe apraz...

    Bárbara,
    obrigado por comentar e seguir. Gostei também de sua escrita.

    Nanda,
    é bom saber que emocionei alguém... Na verdade apenas reproduzi aquilo que estava na minha memória um pouco falha, confesso. Mas a poesia nos permite preencher algumas lacunas sem perder muito a fidelidade, porque a fidelidade da arte é o ser (eu acho). Obrigado pelo comentário. Beijos!

    Novinha,
    que felicidade ter te encantado. Muito obrigado pelos comentários sempre graciosos.

    Fico imaginando a menina...

    Beijos!

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?