12 de jan de 2011

O Trato dos Santos



Um dia, numa dessas praças celestes – dizem que são muitas – Santo Antônio encontrou Santo Expedito sentado, contemplando a terra com a habitual cruz de um lado e a não menos habitual palma do outro, distraído com suas causas impossíveis diárias. O ex-fernando sentou-se ao lado do colega de cânone e suspirou.

- Estava procurando por você, Pepê – intimidade de santos, ninguém pode condenar.

- Qual é o caso, Tonho? - IDEM.

- Pedi uma audiência com Aquele Que É, ontem.

- Para?

- Eu perguntei a Ele se nós dois podíamos trocar de posto.

- Como assim?

- Você não é o santo das causas impossíveis?

- É como me chamam.

- E eu o casamenteiro?

- Exatamente.

- Pois então, pedi ao Criador pra inverter os papéis.

- E Ele aceitou?

- Ele disse que o negócio é contigo.

Os olhos de Expedito brilharam. Casamenteiro? Que coisa bonita! E o fardo era bem mais leve. Era só unir uns casais, arrumar marido pras solteironas de carteirinha, ajudar moços a encontrarem moças que os procuram sem saber... Romântico!

- Mas como seria isso? – disse Expedito demonstrando mal disfarçado interesse – não dá pra mandar um anjo anunciar na Terra que nós trocamos de função. É publicidade demais. E você sabe que O Onisciente não gosta disso!

- Não, nada disso! Discuti isso com Ele também e já temos uma solução.

- Qual?

- Na Terra, fica tudo como está. Os que querem casar rezam pra mim e os que querem causas impossíveis rezam pra você.

- Mas então...

- Calma, rapaz! As mudanças serão só no sistema de recebimento de orações aqui do céu. Basta pedir pra Santa Clara, a padroeira da televisão, que cuida também do sistema de comunicação integrado do céu, pra inverter nossos cadastros. Daí a oração que for pra você cai pra mim e a oração que for pra mim cai pra você.

- Ah, entendi. Mas alguém já fez isso antes? – preocupou-se Expedito.

- Que eu saiba não – respondeu Antônio, persuasivo - Mais um motivo para você aceitar a proposta. Seremos revolucionários!

- Deixa desse papo de revolução, Tonho! Você sabe muito bem que essa palavra lembra acontecimentos desagradáveis do Princípio.

- Eu sei. Mas não tem nada a ver... Revolução é revolução! Aquela foi uma! Vá-se aos dicionários! Não pode achar que toda revolução refere-se àquela.

- Mas foi a primeira... Mas tudo bem, só me esclarece uma coisa, Tonho.

- Diga.

- Por que diab...

- Opa!

- Digo, por que motivos você quer meu cargo, se tem um tão bom?

- Ora, Pepê! Sou franciscano! Gosto de viver novos desafios!

- Entendo. Quando começamos?

- Amanhã.

- Já? Tudo bem...

Era uma noite comum. Expedito foi dar uma olhada nas orações da igreja de Nossa Senhora do Rosário pra ver o que é que rolava de especulações por casamentos por lá. Queria começar o novo cargo já com alguns casais arrumados e felizes.

Começou a entontecer-se com os pedidos. Exemplo. Julinha amava Ronaldo que estava chorando de amores por Ana que só tinha olhos pra Arnaldo que, por sua vez, sonhava com Patrícia que já namorava o Jaziel. Mas que negócio era esse? Isso não estava no contrato! Tinha que haver uma saída!

Convocou uma reunião com os anjos da guarda de cada um, cheio de idéias. Os anjinhos, bocejosos, lhe adiantaram que a coisa não era tão simples de se fazer.

- Mas vejam, meus caros – argumentou Expedito – é muito simples. Basta que façamos que mudem de idéia. Que o Ronaldo ame a Julinha e que o Arnaldo ame a Ana. E vice e versa pros dois. Deixemos em paz o Jaziel e a Patrícia, que já estão encaminhados.

- Mas, meu santo – disse uma das aladas criaturas – acredito que o senhor está se esquecendo de um negocinho que O Eterno inventou chamado Livre Arbítrio.

- Mas não dá nem pra interferir só um pouquinho?

- Como? A gente tenta guiar os humanos para o caminho certo, mas alguns não tem jeito mesmo. E o pior, não querem nem negociar! É fulano e pronto.

No fim do dia – se é que haja dias na eternidade – Santo Expedito foi procurar Santo Antônio, numa dessas praças celestiais de sempre. Queria suas causas impossíveis de volta.

Fernando Lago – Janeiro de 2011

2 comentários:

  1. AHahha, rachei de rir. Hoje em dia é mais fácil fazer impossivel do que alguem casar, Ahahah

    ResponderExcluir
  2. Nossa Fernando!!!

    Que crônica mais massa!!!
    Nossa!!!
    Meu querido! Parabéns!
    Excelente!

    Amei de verdade!!!
    rs rs rs

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?