30 de dez de 2009

Somos Assim

Era meia noite eterna

A escuridão já não me assusta se seguro sua mão

Mas você me deixa tão livre!


E eu

Tão mesquinho

Reprovo-lhe a saia curta e fico de birra como uma criança

Mas não há raiva neste mundo que um sorriso seu não cure

E não há cura neste mundo que não venha dos olhos seus


Luz!

Penas e planos

Um amor tão natural

Sem espaço pra essa fanfarronice toda imposta por nós mesmos


No caminho das estrelas

Lua, planetas e astronautas

De foice e martelo nas mãos

E lá vamos nós

Bem colados

Siameses artificiais

Duas cabeças

Dois corações

Pensamentos e sentimentos diferentes

Conflitos e consensos

Amorosamente em luta


Somos assim

Contraditórios

Somos assim...


Fernando Lago – 30 de Dezembro de 2009


4 comentários:

  1. Vencendo a preguiça para deixar meu desejo de um feliz tempo novo. que 2010 seja cheio de poesia, amor e bençãos de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Fernando, faz algum tempo que venho lendo os seus textos. Vc escreve muito bem. Parabéns por todos eles, principalmente pelos que tive a honra de ler. Ah, queria agradecer seu gentil comentário numa poesia que fiz: Valeu mesmo. Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado Magna!

    Volte sempre que quiser! =)

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?