7 de abr de 2011

A Revolta

O Leão descansava nos seus aposentos real-florestais quando foi despertado por um insuportável barulho na porta de seu palácio. Saiu para ver o que era e deparou-se com um tumultuado protesto de rãs que bradavam, em coro, vários coaxares de ordem contra o regime.

- Mas que estapafurdiagem é essa? Ninguém mais respeita a ordem nessa mata?

- Isto é um protesto! Estamos reivindicando melhores condições para a população anura do Lago Norte.

- E eu, que tenho a ver com isso? Não sou anfíbio, nem peixe, e nem moro no Lago Norte. Virem-se vocês!

- Pois não é o senhor o rei da floresta?

- Se sou! Eu que mando aqui!

- Pois que trate de cuidar das minorias, antes que entremos com um processo de impeachment contra o senhor!

- Vocês estão sonhando! Nem temos Supremo Tribunal por aqui!

- Pois então faremos uma greve!

- Que façam! – Bradou o Leão em bocejo, mostrando as enormes mandíbulas. – Agora chispem!

Depois de meses de greve, verificando que não surtiu o efeito revolucionário a que pretendiam, as rãs convocaram uma Assembléia Popular com diversos outros animais, angariando o apoio de alguns repteis, das zebras, dos veados e das hienas, que achavam a maior graça naquilo tudo. Ainda assim, o Leão não cedeu.

Não havendo outra saída, o comitê revolucionário convocou nova assembléia, onde foi deliberado que iam ocupar as portas do palácio até o Leão atendê-los. Vendo sua porta apinhada de bichos diversos, o Leão aceitou receber um representante dos grevistas em seu gabinete.

Os grevistas resolveram então contratar a elefanta, exímia negociadora da região. Uma lady, que com certeza teria argumentos superiores para convencer o Leão. A Elefanta (que também era conhecida como elefoa, embora sempre corrigisse, mostrando dicionários e gramáticas clássicas) adentrou a sala do rei, que a recebeu com uma imensa tromba. Não intimidada, foi logo esclarecendo:

- Olha aqui, eu sou uma profissional! É bem melhor o senhor parar pra pensar...

- Que parte da palavra Rei, essa bicharalha[1] não entendeu? EU mando aqui!

- O senhor precisa ser sensato...

- E a senhora precisa de um spa! Por que não dá uma corridinha na mata pra diminuir essa barriga, hein!

- Como é que é?

- Obesidade, dona Elefanta. Isso faz mal à saúde.

A elefanta, irritadíssima, puxou o Leão pela juba, deu-lhe umas patadas no meio das fuças e atirou-o pela janela dizendo:

- O senhor acaba de ser destronado.

MORAL: Nem um estadista tem o direito de chamar uma mulher de gorda.


Março de 2011

[1] O equivalente de “gentalha”, só que para os bichos.

7 comentários:

  1. hahhahaha

    Deliciosa fábula... Posso chamar assim?

    E imperdoável, até mesmo para um rei!

    beijocas-divertidas

    ResponderExcluir
  2. Haha, curti a fábula cara.
    Ah me lembrei de um fato que ocorrerá dia 13 e possivelmente mais adiante...
    Tomará que vá uma mulher lá pra Salvador

    ResponderExcluir
  3. HAHAAHHAHAHHA Amei de paixão, Nando!!!

    Chamou de gorda, é o fim, a cobra fuma, kkkkkkkkkk


    parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Talvez se o Leão a chamasse de "magricela", as consequências fossem ainda piores.
    Vai entender as mulheres...

    Abraço, @AnonimoFamoso. :)

    ResponderExcluir
  5. Hahaha gostei de como se transformou num pequeno "conto"! Muito bom!

    ResponderExcluir

Pode se jogar, mas não esqueça a sua bóia, viu?